• A ANESA tem como objectivos congregar, dinamizar, defender e representar as empresas do sector da Higiene e Segurança Alimentar, assim como participar, colaborar e contribuir para a regularização e coordenação da sua actividade.
 
 
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
 
 
INÍCIO
IDENTIFICAÇÃO
ESTATUTOS
CÓDIGO DEONTOLÓGICO
ASSOCIADOS
ORGÃOS SOCIAIS
INSCRIÇÃO
ACESSO RESERVADO
 
 
 
PESQUISA
TRADUÇÃO AUTOMÁTICA
PUBLICIDADE
Boa tarde,   Um café fez um contrato com uma empresa prestadora de serviços, para dois anos. ...
A FNACC (Federação Nacional das Associações de Comerciantes de Carnes) divulgou o conteúdo prog...
PUBLICIDADE
Para assinalar o Dia Mundial da Alimentação, a Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) vai organizar o Workshop «Do Prado ao Prato - 100 Mitos : À Mesa», no dia 16 de Outubro, no Auditório dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa, sito na Avenida Afonso Costa, nº 41. As inscrições, embora gratuitas, são obrigatórias e devem ser remetidas até ao dia 11 de Outubro.
PARCEIROS/PARCERIAS
LIGAÇÕES ÚTEIS
LICENCIAMENTO ZERO
BASE - Contratos Públicos
Portal da Empresa
DGAE
Portal do Consumidor
Autoridade da Concorrência
Autoridade do Trabalho
Ministério do Trabalho
Boletim do Trabalho
GEP
Ministério das Finanças
Ministério da Agricultura
DG VETERINARIA
Ministério da Economia
EFSA
ASAE
Portal do Governo
Eur Lex
Diário da República Electrónico
 

CÓDIGO DEONTOLÓGICO

Os membros da ANESA – Associação Nacional de Empresas de Segurança Alimentar, entidades individuais ou colectivas, comprometem-se a pautar o seu comportamento profissional em conformidade com o presente Código Deontológico.


CAPÍTULO I
Disposições Gerais


Artigo 1.º
Objectivos do Código

1 - O objectivo deste código deontológico é estabelecer um conjunto de princípios e regras fundamentais a observar nas práticas da actividade de Consultoria / Prestação de serviços associados à segurança alimentar.

2 - Este código não substitui as leis e regulamentos aplicáveis.



Artigo 2.º
Âmbito

O presente código deontológico é aplicável às empresas, agrupamentos de empresas, cooperativas e indivíduos que prestem serviços de segurança alimentar em áreas específicas como:

a) - Estudo/Projecto;
b) - Consultoria e Formação;
c) - Controlo;
d) - Inspecção;
e) - Peritagem;
f) - Controlo Laboratorial;
g) - Auditoria.


Artigo 3.º
Princípios

1 - As empresas de Segurança Alimentar devem, no seu desempenho profissional estabelecer entre si relações de concorrência leal e competitividade salutar.

2 - O exercício da actividade profissional é desenvolvido num plano de rigor científico, competência técnica, e respeito pelas normas estabelecidas, nacionais, comunitárias e internacionais, inerentes á actividade exercida.

3 - 1 - As empresas de Segurança Alimentar estão obrigadas a guardar segredo profissional, referente a assuntos que lhe tenham sido revelados pelos Clientes no exercício do desempenho profissional.

3 - 2 - Cessa a obrigação de sigilo profissional sempre que:

a) - A Lei determine ou autorize;
b) - Em defesa da dignidade e interesses legítimos;
c) - Estando em causa factos, cujo conhecimento adveio do exercício, que coloquem em questão a saúde dos consumidores.

4 - As empresas de Segurança Alimentar estão obrigadas, nas suas relações com partes interessadas dos seus serviços, aos deveres de correcção, urbanidade, probidade e operando sempre com empenho, dedicação e responsabilidade em obediência á legislação e regulamentos estabelecidos para a área de exercício.



Artigo 4.º
Disciplina

Compete ao Conselho Deontológico da ANESA, analisar, avaliar e fazer cumprir a observância das regras e princípios instituídos no presente documento.



Artigo 5.º
Definições

As aplicáveis expressas no presente Código segundo:

a) - Estudo e Projecto – Processo único que consiste num conjunto de actividades coordenadas e controladas, com datas de início e de fim, realizadas para atingir um objectivo em conformidade com requisitos específicos, incluindo limitações de tempo, custos e recursos.

b) - Consultoria e Formação – Actividade ou serviço especializado em assuntos agro- alimentares para organismos ou empresas, incluindo as actividades de formação profissional.

c) - Controlo e Verificação – Controlo, mediante exame e ponderação de provas objectivas, do cumprimento dos requisitos especificados.

d) - Inspecção – Exame de quaisquer aspectos dos alimentos para animais, dos géneros alimentícios e da saúde e do bem estar dos animais, a fim de verificar se esses aspectos cumprem os requisitos da legislação no domínio dos alimentos para animais ou dos géneros alimentícios e das regras no domínio da saúde e do bem estar dos animais.

e) - Peritagem – Exame realizado por perito em que perito se entende por douto, sabedor, experimentado, com perícia, dotado de aptidões ou conhecimentos especiais para proceder a um exame, vistoria ou avaliação em matéria de Segurança Alimentar.

f) - Controlo Laboratorial – Controlo, através de análise laboratorial, do cumprimento da legislação em matéria de alimentos para animais ou de géneros alimentícios ou das normas relativas à saúde dos animais.

g) - Auditoria – Exame sistemático e independente para determinar se as actividades e os respectivos resultados estão em conformidade com as disposições previstas e se estas disposições são aplicadas eficazmente e se são adequadas para alcançar os objectivos.

h) - Técnico – Pessoa/Entidade que possui conhecimento especifico ou experiência qualificada na área de segurança alimentar.

i) - Científico – Rigor e Actualização dos conhecimentos das ciências envolvidas na segurança alimentar.

j) - Competência – Capacidade demonstrada de aplicar conhecimentos e de saber fazer.

l) - Concorrência – Alegação de direitos iguais entre várias pessoas/entidades sobre o mesmo objecto.

m) - Honestidade – Garantir a verdade.

n) - Probidade – Integridade de carácter, rectidão, honradez; observância dos deveres da justiça e da moral.

o) - Profissionalismo – Individuo/entidade que detêm conhecimento da profissão, especialista.

p) - Transparência – Qualidade do que é evidente, claro, não deixa margem para dúvidas.

q) - Confidencialidade – Comunicação ou ordem sob sigilo.

r) - Urbanidade – Civilidade e cortesia.



CAPÍTULO II
Disposições Específicas


Artigo 6.º
Exercício das Entidades.

1. O exercício da actividade da prestação de serviços no âmbito da segurança alimentar depende da reunião dos requisitos previstos na legislação vigente e traduz-se nas acções que visam o bem estar, saúde publica e satisfação do estabelecido legalmente sobre a comercialização dos bens ou serviços do sector agro-alimentar, tendo sempre em consideração as especificidades das empresas ou garantir a não existência de conflito de interesses.

2. A entidade deverá possuir um conjunto de recursos, meios e informações, quer próprios quer subcontratados, para a prestação do serviço.

3. A entidade deverá assegurar recursos mínimos necessários á prestação de serviços:

a) – Um Técnico Superior, em conformidade com o previsto no Art.º 7.º e com experiência profissional de 3 Anos, por cada cinco Técnicos - profissionais;

b) – Um Técnico de Formação, com Certificação de Aptidão Profissional (CAP).

4. A entidade deverá assegurar os meios e infra-estruturas mínimos necessários á prestação de serviços:

a) - Laboratório Acreditado, ou contrato com laboratório acreditado externo para proceder aos ensaios e/ou calibrações;

b) - Meios, equipamentos e utensílios indispensáveis para a prestação do serviço;

c) – Meios audiovisuais adequados para a realização das acções de formação ou contrato com entidade formadora acreditada externa.



Artigo 7.º
Exercício do Individuo.

1 - O exercício dos profissionais do sector referenciado no código deontológico deverá garantir as competências pelas habilitações e graduações necessárias para cometimentos das atribuições inerentes:

a) - Competências necessárias para Técnico Superior de Qualidade Alimentar (TQA)
Formação superior, Licenciatura ou bacharelato, em áreas afins com a Segurança Alimentar, em conformidade com a legislação em vigor.

b) - Competências necessárias para Técnico Superior de Qualidade Alimentar com Capacidade Comprovada (TQA-CC)
Formação superior, Licenciatura ou bacharelato, complementada com especializações e/ou experiência profissional em áreas afins com a segurança alimentar.

c) - Competências necessárias para Técnico - Profissional de Qualidade Alimentar (TPQA)
12.º ano ou equivalente em áreas afins com a Segurança Alimentar e equivalências com 6 ou mais anos de experiência profissional em Segurança Alimentar.

d) - Competências necessárias para Técnico - Profissional com Capacidade Comprovada (TPQA-CC).
12.º ano ou equivalente em áreas afins com a Segurança Alimentar e equivalências com o mínimo de 1 ano de experiência profissional em áreas afins com a Segurança Alimentar ou comprovativo de 100 horas de formação específica.

2 - O exercício dos profissionais deve assentar, em princípios de ética, moralidade, civismo e cidadania, bem como em compatibilidade com os Códigos Profissionais das diversas profissões (quando aplicável) no mais estrito sentido de responsabilidade.

3 - Os Técnicos TPQA e TPQA-CC devem ter disponíveis acções de formação de actualização, no mínimo de 30 horas de 3 em 3 anos, sempre que solicitados pelo Conselho do Código Deontológico


Artigo 8.º
Revisão

O presente estatuto poderá ser revisto em Assembleia-Geral sempre que tido por conveniente e necessário sob proposta de maioria simples de sócios.



CAPÍTULO III
Direitos e Deveres



Artigo 9.º
Para a Comunidade

As entidades que prestem serviços em segurança alimentar estão sujeitas aos deveres de:

a) - Isenção na actividade
Os seus profissionais devem estabelecer relações pelas quais o conflito de interesses não possa estar presente.

b) - Transparência
A relação das empresas entre si e com terceiros deve ser efectuada com transparência para a qualidade, segurança e desenvolvimento do mercado.

c) - Informação
Cabe às empresas deste sector garantir a informação adequada e fidedigna às partes interessadas (clientes, parceiros, concorrentes, sociedade em geral e organismos públicos).

d) - Análise de Perigos, Avaliação de Riscos e Comunicação
Compete às empresas do sector, por si ou em conjunto, efectuar a adequada identificação de perigos, análise e respectiva avaliação quantificada satisfazendo o princípio da precaução.
A entidade prestadora de serviços deixará de estar afecta ao sigilo profissional sempre que detecte o perigo com risco significativo de colocar em causa a saúde pública.

e) - Princípio da Precaução
É a garantia contra os riscos potenciais que, de acordo com o estado actual do conhecimento, não podem ser ainda identificados. Este princípio afirma que a ausência da certeza científica formal, a existência de um risco de um dano sério ou irreversível requer a implementação de medidas que possam prever este dano.


Artigo 10.º
Formação Contínua

As empresas garantirão a formação contínua e adequada dos profissionais em conformidade com a legislação em vigor.



CAPÍTULO IV
Disciplina


Artigo 11.º
Acção Disciplinar

Compete à ANESA fazer cumprir a observância das normas e princípios consignados no presente código:

a) - O reconhecimento das responsabilidades disciplinares das empresas do sector, emergentes da infracção ao presente código deontológico, é da competência exclusiva da ANESA;

b) - Quando as violações ao presente código se verifiquem em relação a empresas que exerçam a sua actividade vinculadas a entidades públicas, cooperativas ou privadas, estas devem limitar-se a comunicar as presumíveis infracções à ANESA;

c) - As infracções aos deveres constantes no presente código constituem o infractor em responsabilidade disciplinar;

d) - O exercício da jurisdição disciplinar da ANESA, as infracções, informações, procedimento e sanções disciplinares, bem como respectivos efeitos regem-se pelo disposto nos estatutos da ANESA.



CAPÍTULO V
Disposições Finais e Transitórias

O presente código entra em vigor 30 dias após a data da sua aprovação pela Assembleia -Geral da ANESA, sendo obrigatória a sua publicação e divulgação no decorrer do mesmo prazo.

O presente código produz efeitos 180 dias após aprovação pela Assembleia – Geral da ANESA para a conformidade dos membros.

 

 

EDITORIAIS

  Já se encontra homologada e publicada a NP 4511 de 2012, Norma Portuguesa com as regras específic...
0
Considerando as notícias divulgadas em meios de comunicação social, e por outras vias, relativamente...
0
A Direcção Geral da Empresa, elaborou um projecto-lei, no sentido de regular a actividade de Consult...
0
De acordo com o estipulado no n.º 1 alínea b) do Art.º 14.º dos Estatutos da ANESA – Associação Naci...
0

LEGISLAÇÃO

  O Aviso 11053/2017 – DR II Série de 25-9 - do INE, torna público que o coeficiente de actua...
0
 O DL 102/2017 de 23-8, introduziu alterações em vários diplomas, no sentido de simplificar e harmon...
0
 O DL 74/2017 de 21-6, introduz alterações e republica o DL 156/2005 de 15-9, relativamente ao regim...
0
O DL 62/2017 de 9-6, estabelece as normas aplicáveis em matérias de composição, rotulagem, prestação...
0
 A Lei 42/2016 de 28-12, aprova o Orçamento do Estado para 2017. Registo para as alterações dos Impo...
0
O Decreto-Lei 86-B/2016 de 29-12, aprovou a atualização do valor da Retribuição Mínima Mensal Garant...
0
O Decreto-Lei n.º 26/2016 de 9-6, assegura a execução e garante o cumprimento na ordem jurídica inte...
0
 As consultas de vigilância da saúde efetuadas no Serviço Nacional de Saúde não podem ser assegurada...
0

SEGURANÇA ALIMENTAR

Empresas do Sector Alimentar - OBRIGATORIEDADE DE IMPLEMENTAÇÂO DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA BASEAD...
1
Relativamente a questões colocadas sobre comercialização de moluscos bivalves:   Os moluscos bival...
0
ACÇÃO DE FORMAÇÃO FARO A ANESA promoveu a primeira acção de formação com sucesso assegurado, con...
0
HACCP em Micro/Pequenas Empresas O que a lei diz… Deve ser garantido um elevado nível de protecç...
0
 
 
 
JANELA ABERTA
FORMAÇÃO
ACTIVIDADES
APOIO JURÍDICO
CONTACTOS
NEWSLETTER
 
 
Todos os direitos reservados ANESA © 2017
Desenvolvimento: Tiago Caetano