• A ANESA tem como objectivos congregar, dinamizar, defender e representar as empresas do sector da Higiene e Segurança Alimentar, assim como participar, colaborar e contribuir para a regularização e coordenação da sua actividade.
 
 
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
 
 
INÍCIO
IDENTIFICAÇÃO
ESTATUTOS
CÓDIGO DEONTOLÓGICO
ASSOCIADOS
ORGÃOS SOCIAIS
INSCRIÇÃO
ACESSO RESERVADO
 
 
 
PESQUISA
TRADUÇÃO AUTOMÁTICA
PUBLICIDADE
Boa tarde,   Um café fez um contrato com uma empresa prestadora de serviços, para dois anos. ...
A FNACC (Federação Nacional das Associações de Comerciantes de Carnes) divulgou o conteúdo prog...
PUBLICIDADE
Irá decorrer no dia 22 de junho no auditório do INIAV, na Quinta do Marquês, em Oeiras, um seminário sobre o Codex Alimentarius. A participação é grátis, requerendo, no entanto, inscrição obrigatória para o endereço codex@dgav.pt
PARCEIROS/PARCERIAS
LIGAÇÕES ÚTEIS
LICENCIAMENTO ZERO
BASE - Contratos Públicos
Portal da Empresa
DGAE
Portal do Consumidor
Autoridade da Concorrência
Autoridade do Trabalho
Ministério do Trabalho
Boletim do Trabalho
GEP
Ministério das Finanças
Ministério da Agricultura
DG VETERINARIA
Ministério da Economia
EFSA
ASAE
Portal do Governo
Eur Lex
Diário da República Electrónico
 

SEGURANÇA ALIMENTAR

REGIME SANCIONATÓRIO

Reg.CE 852/04 e 853/04 de 29-4

Conforme o previsto no DL 113/06 de 12-6, o regime sancionatório dos Regulamentos CE 852/04 e 853/04 de 29-4, estabelece:

Parte I

1. Os operadores das empresas do sector alimentar devem assegurar que todas as fases da produção, transformação e distribuição de géneros alimentícios sob seu controlo satisfaçam os requisitos pertinentes em matéria de higiene, previsto no Regulamento CE 852/04 de 29-4.
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

2. A criação, aplicação ou manutenção de um processo ou processos baseados nos princípios do HACCP que não cumpra os seguintes requisitos: Identificação de quaisquer perigos que devam ser evitados, eliminados ou reduzidos para níveis aceitáveis; Identificação dos pontos críticos de controlo na fase ou fases em que o controlo é essencial para evitar ou eliminar um risco ou para o reduzir para níveis aceitáveis; Estabelecimento de limites críticos em pontos críticos de controlo; Estabelecimento e aplicação de processos eficazes de vigilância em pontos críticos de controlo; Estabelecimento de medidas correctivas quando a vigilância indicar que um ponto crítico de controlo não se encontra sob controlo; Estabelecimento de processos de verificação das medidas implementadas; Elaboração de documentos e registos adequados à natureza e dimensão das empresas, a fim de demonstrar a aplicação eficaz das medidas implementadas (Art.º 5.º do Regulamento CE 852/04 de 29-4).
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

3. O não fornecimento à autoridade competente das provas em como mantêm e aplicam um processo ou processos baseados nos princípios do HACCP, conforme o previsto no Art.º 5.º do Regulamento CE 852/04 de 29-4.
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

4. A não actualização dos documentos que descrevem o processo ou processos baseados nos princípios do HACCP, conforme o previsto no Art.º 5.º do Regulamento CE 852/04 de 29-4.
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

5. A não conservação de documentos que descrevem o processo ou processos baseados nos princípios do HACCP, conforme o previsto no Art.º 5.º do Regulamento CE 852/04 de 29-4, ou de outros documentos ou registos durante o prazo que for legalmente considerado adequado.
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

6. O impedimento ou criação de obstáculos aos controlos oficiais, designadamente pela não permissão de acesso a edifícios, locais, instalações e demais infraestruturas ou qualquer documentação e registos considerados necessários pela autoridade competente para a avaliação da situação.
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

7. A colocação no mercado de produtos provenientes de importações e os produtos destinados à exportação que não cumpram os requisitos de higiene e de controlo previstos no Regulamento. (Art.ºs 10.º e 11.º do Regulamento CE 852/04 de 29-4).
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

8. A não aposição nos produtos de origem animal de uma marca de identificação ou o não cumprimento dos requisitos estabelecidos. Os operadores das empresas do sector alimentar devem assegurar que os produtos de origem animal possuem uma marca de identificação aposta. A marca deve ser legível e indelével; deve indicar o nome do país (Portugal = PT); deve indicar o número de aprovação do estabelecimento e deve incluir a sigla da comunidade CE. (Anexo II do Regulamento CE 853/04 de 29-4).
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

9. O desrespeito pelos operadores das empresas do sector alimentar responsáveis por matadouros, das obrigações impostas relativamente a todos os animais, que não sejam de caça selvagem, enviados ou destinados ao matadouro. Os operadores responsáveis por matadouros devem, se for caso disso, solicitar, receber, verificar e actuar em função das informações sobre a cadeia alimentar enumeradas dos animais. Os operadores não devem aceitar animais nas suas instalações a menos que tenham solicitado e recebido as informações pertinentes em matéria de segurança alimentar contida nos registos mantidos na exploração, em especial: O estatuto da exploração; O estatuto sanitário do animal; Os produtos veterinários utilizados nos últimos 6 meses; A ocorrência de doenças; Os resultados de eventuais análises; Relatórios do veterinário oficial; Dados relevantes em matéria de produção; Dados do veterinário privado. (Secção III do Anexo II do Regulamento CE 853/04 de 29-4).
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

10. A armazenagem e o transporte de carne pelos operadores das empresas do sector alimentar sem observância das condições impostas. A carne deve sofrer um processo de refrigeração até temperaturas adequadas - 7ºC (Carne) e 3ºC (Miudezas) – sendo essas temperaturas mantidas na armazenagem. A carne deve atingir a temperatura adequada antes do transporte e ser mantida a essa temperatura durante o transporte. (Anexo III do Regulamento CE 853/04 de 29-4).
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

11. O funcionamento de estabelecimentos que produzam carne picada, preparados de carne, carne separada mecanicamente e produtos à base de carne que não cumpram os requisitos estabelecidos, nomeadamente em termos de instalações, equipamentos, higiene, processos, procedimentos, conservação e demais requisitos de produção. (Anexo III do Regulamento CE 853/04 de 29-4).
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

12. A colocação no mercado de moluscos bivalves vivos, equinodermes, tunicados e gastrópodes marinhos vivos, sem que sejam cumpridas as condições estabelecidas para o efeito, designadamente no que respeita às regras sanitárias, a que os mesmos estão sujeitos, manuseamento, acondicionamento e embalagem, margens de tolerância fixadas, marca de identificação e rotulagem, armazenagem, transporte e documentos de acompanhamento. (Regulamento CE 852/04 de 29-4 e Regulamento CE 853/04 de 29-4)
Coima: de € 500,00 a € 3.740,00 (Pessoa Singular) ou até € 44.890,00 (Pessoa Colectiva)

31-03-2007
Partilhar
Existem 0 comentários
 

EDITORIAIS

  Já se encontra homologada e publicada a NP 4511 de 2012, Norma Portuguesa com as regras específic...
0
Considerando as notícias divulgadas em meios de comunicação social, e por outras vias, relativamente...
0
A Direcção Geral da Empresa, elaborou um projecto-lei, no sentido de regular a actividade de Consult...
0
De acordo com o estipulado no n.º 1 alínea b) do Art.º 14.º dos Estatutos da ANESA – Associação Naci...
0

LEGISLAÇÃO

    A Lei 15/2018 de 27-3 estabelece que é permitida a permanência de animais de companhia em espa...
0
O DL 5/2018 de 2-2 define os critérios definidores do processo de receção e troca de garrafas utiliz...
0
  A Portaria 14/2018 de 11-1, introduz alterações na participação de acidentes de trabalho dos empr...
0
 Aprovado o Orçamento do Estado para 2018. Lei 114/2017 de 29-12.
0
  O DL 156/2017 de 28-12 fixa em 580 €, o valor da retribuição mínima mensal garantida (RMMG),...
0
O DL 152-D/2017 de 11-12 Unifica o regime da gestão de fluxos específicos de resíduos sujeitos ao pr...
0
O DL 152/2017 de 7-12 procede à segunda alteração ao DL 306/2007 de 27-8, alterado pelo DL 92/2010 d...
0
 A Lei 73/2017 de 16-8, visando o reforço da prevenção e do combate à prática de assédio, introduziu...
0

SEGURANÇA ALIMENTAR

Empresas do Sector Alimentar - OBRIGATORIEDADE DE IMPLEMENTAÇÂO DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA BASEAD...
1
Relativamente a questões colocadas sobre comercialização de moluscos bivalves:   Os moluscos bival...
0
ACÇÃO DE FORMAÇÃO FARO A ANESA promoveu a primeira acção de formação com sucesso assegurado, con...
0
HACCP em Micro/Pequenas Empresas O que a lei diz… Deve ser garantido um elevado nível de protecç...
0
 
 
 
JANELA ABERTA
FORMAÇÃO
ACTIVIDADES
APOIO JURÍDICO
CONTACTOS
NEWSLETTER
 
 
Todos os direitos reservados ANESA © 2018
Desenvolvimento: Tiago Caetano