• A ANESA tem como objectivos congregar, dinamizar, defender e representar as empresas do sector da Higiene e Segurança Alimentar, assim como participar, colaborar e contribuir para a regularização e coordenação da sua actividade.
 
 
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
  • ANESA
 
 
INÍCIO
IDENTIFICAÇÃO
ESTATUTOS
CÓDIGO DEONTOLÓGICO
ASSOCIADOS
ORGÃOS SOCIAIS
INSCRIÇÃO
ACESSO RESERVADO
 
 
 
PESQUISA
TRADUÇÃO AUTOMÁTICA
PUBLICIDADE
Boa tarde,   Um café fez um contrato com uma empresa prestadora de serviços, para dois anos. ...
A FNACC (Federação Nacional das Associações de Comerciantes de Carnes) divulgou o conteúdo prog...
PUBLICIDADE
Para assinalar o Dia Mundial da Alimentação, a Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) vai organizar o Workshop «Do Prado ao Prato - 100 Mitos : À Mesa», no dia 16 de Outubro, no Auditório dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa, sito na Avenida Afonso Costa, nº 41. As inscrições, embora gratuitas, são obrigatórias e devem ser remetidas até ao dia 11 de Outubro.
PARCEIROS/PARCERIAS
LIGAÇÕES ÚTEIS
LICENCIAMENTO ZERO
BASE - Contratos Públicos
Portal da Empresa
DGAE
Portal do Consumidor
Autoridade da Concorrência
Autoridade do Trabalho
Ministério do Trabalho
Boletim do Trabalho
GEP
Ministério das Finanças
Ministério da Agricultura
DG VETERINARIA
Ministério da Economia
EFSA
ASAE
Portal do Governo
Eur Lex
Diário da República Electrónico
 

SEGURANÇA ALIMENTAR

ZOONOSES

1.º Relatório Anual da EFSA

No final do ano passado a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) publicou o seu primeiro relatório anual sobre doenças infecciosas de animais transmissíveis a humanos (zoonoses) que afectam mais de 380 000 cidadãos europeus por ano. Baseada neste relatório, e a pedido do Conselho de Ministros da União Europeia (UE), a EFSA apresenta agora, e pela primeira vez, uma série de conclusões, recomendações e iniciativas de comunicação do risco que visam prevenir e reduzir as doenças zoonóticas na UE. A Autoridade também identificou aspectos do sistema de declaração das zoonoses que deverão ser melhorados.

O Parecer foi preparado pelos Paineis Científicos dos Perigos Biológicos (BIOHAZ) e da Saúde e Bem Estar Animais (AHAW) da EFSA em estreita colaboração com o Centro Europeu para a Prevenção e Controlo de Doenças (European Centre for Disease Prevention and Control - ECDC) que deu contribuições para as recomendações relacionadas com os dados humanos.

As duas doenças zoonóticas mais frequentemente relatadas em 2004 foram a salmonelose e a campilobacteriose, responsáveis pelo relato de 192 703 e 183 961 casos, respectivamente. De acordo com o Parecer da EFSA, as principais fontes de Salmonella são os ovos e ovoprodutos contaminados, assim como a carne de aves de capoeira contaminada. Assim, a EFSA apoia a estratégia da Comunidade de estabelecer uma redução dos limites de Salmonella em aves de capoeira. A carne de aves de capoeira contaminada também é a principal fonte de Campylobacter e a EFSA recomenda a tomada de medidas ao longo da cadeia de produção de aves de capoeira que reduzam a prevalência desta bactéria.

A listeriose, que é uma doença severa em humanos, foi responsável pelo mais elevado número de casos fatais relatados em humanos (107 mortes), entre as 11 zoonoses cobertas pelo relatório das zoonoses da EFSA. A EFSA recomenda que boas práticas de fabricação, higiene e manuseamento, assim como a abordagem da identificação dos perigos através do HACCP sejam efectivamente aplicados pelos fabricantes de alimentos de modo a diminuir os níveis de contaminação por Listeria nos alimentos.

A toxoplasmose, que pode afectar severamente os fetos e os indivíduos imunocomprometidos foi a doença zoonótica provocada por parasitas mais frequentemente notificada. A EFSA considera que esta doença está sub-detectada e sub-relatada e recomenda que sejam feitas campanhas educativas dirigidas a indivíduos vulneráveis e que abordem as práticas de culinária e de higiene, assim como o manuseamento dos dejectos dos gatos.

A resistência antimicrobiana em bactérias zoonóticas encontradas em animais usados para a alimentação é identificada no Parecer como uma preocupação de saúde pública. A EFSA recomenda uma monitorização obrigatória da utilização de tratamentos antimicrobianos em animais usados para a alimentação e a implantação de medidas de comunicação do risco dirigidas aos agricultores e veterinários salientando a importância da utilização prudente de agentes antimicrobianos em animais.

O Parecer também refere com preocupação a aparente elevada incidência entre crianças pequenas de infecções por Salmonella, E.coli verotoxigénica e de Yersinia. A EFSA identifica a necessidade de prosseguir a investigação desta tendência.

O Parecer da EFSA ressalta a necessidade de uma maior clarificação sobre o papel da água contaminada como causa de doenças zoonóticas e de surtos de doenças de origem alimentar e identifica os alimentos para animais contaminados como uma via importante de introdução de Salmonella no gado.
De acordo com o Parecer da EFSA, a raiva continua a constituir um risco fatal para a saúde humana em áreas em que esta doença está presente na vida selvagem. Em zonas endémicas, a EFSA recomenda a imunização oral de espécies selvagens tais como raposas e racoons, nos maiores reservatórios, através de acções coordenadas a nível Comunitário assim como a vacinação, registo e identificação de animais de estimação.

A EFSA também recomenda que iniciativas de comunicação dos riscos com carácter genérico com o objectivo de melhorar os procedimentos de higiene alimentar e de manuseamento dos alimentos sejam dirigidas aos operadores económicos que actuem na área alimentar, aos grupos vulneráveis da população, assim como ao público em geral.

O Parecer também faz diversas recomendações para a melhoria dos sistemas Europeus de monitorização e informação das zoonoses, entre as quais as necessidades de:

1. Uma estratégia comum de recolha de dados, monitorização e informação, bem como o melhoramento da harmonização das definições;

2. Monitorização obrigatória da utilização de agentes antimicrobianos em animais;

3. Distinção entre infecção adquirida domesticamente ou externamente, sempre que se relatem casos de surtos em humanos;

4. Inclusão de dados sobre a origem do alimento implicado nos relatos;

5. Melhoria no cálculo da carga microbiana através de abordagens tais como DALYs (Disability-Adjusted Life Years) em vez de meramente relatar o número de casos.

Fonte: ASAE
09-11-2006
Partilhar
Existem 0 comentários
 

EDITORIAIS

  Já se encontra homologada e publicada a NP 4511 de 2012, Norma Portuguesa com as regras específic...
0
Considerando as notícias divulgadas em meios de comunicação social, e por outras vias, relativamente...
0
A Direcção Geral da Empresa, elaborou um projecto-lei, no sentido de regular a actividade de Consult...
0
De acordo com o estipulado no n.º 1 alínea b) do Art.º 14.º dos Estatutos da ANESA – Associação Naci...
0

LEGISLAÇÃO

 Aprovado o Orçamento do Estado para 2018. Lei 114/2017 de 29-12.
0
  O DL 156/2017 de 28-12 fixa em 580 €, o valor da retribuição mínima mensal garantida (RMMG),...
0
 A Lei 73/2017 de 16-8, visando o reforço da prevenção e do combate à prática de assédio, introduziu...
0
  O Aviso 11053/2017 – DR II Série de 25-9 - do INE, torna público que o coeficiente de actua...
0
 O DL 102/2017 de 23-8, introduziu alterações em vários diplomas, no sentido de simplificar e harmon...
0
 O DL 74/2017 de 21-6, introduz alterações e republica o DL 156/2005 de 15-9, relativamente ao regim...
0
O DL 62/2017 de 9-6, estabelece as normas aplicáveis em matérias de composição, rotulagem, prestação...
0
 A Lei 42/2016 de 28-12, aprova o Orçamento do Estado para 2017. Registo para as alterações dos Impo...
0

SEGURANÇA ALIMENTAR

Empresas do Sector Alimentar - OBRIGATORIEDADE DE IMPLEMENTAÇÂO DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA BASEAD...
1
Relativamente a questões colocadas sobre comercialização de moluscos bivalves:   Os moluscos bival...
0
ACÇÃO DE FORMAÇÃO FARO A ANESA promoveu a primeira acção de formação com sucesso assegurado, con...
0
HACCP em Micro/Pequenas Empresas O que a lei diz… Deve ser garantido um elevado nível de protecç...
0
 
 
 
JANELA ABERTA
FORMAÇÃO
ACTIVIDADES
APOIO JURÍDICO
CONTACTOS
NEWSLETTER
 
 
Todos os direitos reservados ANESA © 2018
Desenvolvimento: Tiago Caetano